Como ser resiliente naquilo que você não gosta?

De novo, vamos as minhas queridas definições. Hoje, será a resiliência, algo tão falado nas palestras de motivação e nas redes sociais.

Resiliência segundo o dicionário Michaelis Online: “Elasticidade que faz com que certos corpos deformados voltem à sua forma original. Capacidade de rápida adaptação ou recuperação.” Na psicologia: “A resiliência é a capacidade do indivíduo lidar com problemas, adaptar-se a mudanças, superar obstáculos ou resistir à pressão de situações adversas, choque, estresse, algum tipo de evento traumático, entre outros. Sem entrar em surto psicológico, emocional ou físico, por encontrar soluções estratégicas para enfrentar e superar as adversidades.” Wikipédia.

Para o boxe, o lutador, mais resiliente de todos os tempos, sem dúvida, foi Muhammad Ali — Cassius Clay. Ele se esquivava dos golpes adversários com a guarda aberta, chamando o pugilista na sua frente para lhe dar mais um golpe. Por vezes, os golpes pegavam em Ali, mas o lutador tinha uma incrível capacidade de absorvê-los. Depois, com o adversário cansado de tanto bater, ele dava um golpe, um único golpe, o fatal, o do knockdown. Hoje, nas grandes corporações, usam Ali como o retrato da resiliência.

Portanto, todos nós sabemos que ser um Muhammad Ali no dia a dia é difícil, mais ainda caso se trate de algo que não gostamos, ou pensamos não gostar. Por exemplo, as atividades esportivas.

Para um ciclista profissional, ou mesmo um ciclista de competições amadoras, acordar quatro e meia da manhã, numa madrugada fria, escura e nebulosa de São Paulo, pode parecer algo fácil. No entanto, para você, leitora(o), que adora ficar dez minutinhos a mais depois que o seu celular te desperta, debaixo das cobertas, bem quentinha(o), é uma missão praticamente impossível.

Daí vem a pergunta. Como podemos reverter essa inércia? Porque levantar uma vez é uma coisa. Todas as terças-feiras e quintas-feiras, faça chuva, faça sol, calor ou frio, é outra.

Mas, Dr. Dilema, eu não quero fazer ciclismo, muito menos nessa hora da madrugada, você dirá. Sim, minha cara(o), eu sei, é só um exemplo, pois, muitas vezes você terá de ter resiliência para se levantar e ir ao parque andar, ou fazer uma parada na academia depois do trabalho, antes de chegar em casa. Afinal, como falamos em outro artigo, se não houver constância e disciplina, os resultados não aparecerão.

Portanto, sugiro usar a mesma tática do artigo anterior: veja em qual situação sua resiliência se aplica com mais força e introduza essa disposição na sua atividade física.

Boa sorte.

Publicado por jony1818

Sou coach, psicodramatista, triatleta e maratonista

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: