Ressentimento

Imagine um personagem, o Beto.

O pai do Beto era um homem de negócios. De verdade, ele falava e respirava negócios. Tudo em sua volta era negócio, não existia espaço para outro assunto. No entanto, aniversários dos filhos e, principalmente os presentes, eram sagrados: nem os negócios atrapalhavam o evento.

Quando Beto completou quatorze anos, seu pai lhe prometeu dar a bicicleta dos seus sonhos: a Fórmula C da Caloi. Não era para menos, afinal, poucos guris do seu bairro tinham a desejada magrela. Sem dúvida, Beto ficaria popular com a bike. O adolescente passou noites e noites em claro sonhando com o presente.

No dia do seu décimo quarto aniversário, Beto e seu pai não se encontraram no café da manhã, como de costume, porque o homem de negócios tinha uma reunião longe da cidade. Voltaria tarde. De que maneira ele traria a bicicleta da Zona Sul? Será que viria por encomenda? Ou o presente estava no porta-malas do carro? As dúvidas excitaram o menino, eufórico com a bicicleta.

Dez da noite, o dono da casa não havia chegado. Beijo e boa noite da sua mãe, com a ordem de ir para a cama. Sem ânimo, Beto tentou dormir, em vão, precisava estar acordado para a hora do seu pai lhe entregar o presente. Dormiu.

Quatorze anos e um dia. No café da manhã, seu pai nem tocou no aniversário do filho, muito menos no presente.

Então, Beto chorou e ficou ressentido pelo resto da adolescência.

Você, minha cara ou meu caro, pensa que Beto deveria manter tal ressentimento?  Já passou por algo parecido, do qual ainda guarda esse sentimento?

Creio que sim! Todos nós. No entanto, após caminhar pela estrada da vida por décadas, tal sentimento não cabe mais em nossos corações. O ressentimento nos faz mal. Ele é fruto da mágoa, da raiva e da decepção. Um sentimento ruim, que rumina e embaralha tudo em nós. Nos consome, tira nossa pureza. Não vale a pena ficar ressentido. Se a pessoa que nos causou esse sofrimento fez de propósito, melhor não ter ao nosso lado, e se fez sem querer, por que não a perdoar? Perdoar é o melhor antídoto para o ressentimento.

Caso não surja a vontade de perdoar, deixe para lá, ele se esqueceu, é humano!

Tenham um bom dia.

Publicado por jony1818

Sou coach, psicodramatista, triatleta e maratonista

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: